À flor da pele

sexta-feira, 3 de abril de 2009


A pedra filosofal sempre foi um mito a ser desvendado pela humanidade para se obter a fonte eterna da juventude. Também o são, com grande frequência, os afrodisíacos naturais que aumentam a libido e estimulam o desejo sexual das pessoas. A diferença entre a pedra da juventude e os afrodisíacos é que os segundos existem na natureza.


Nas baladas noturnas de São Paulo, um velho e recorrente afrodisíaco dos interiores brasileiros virou uma espécie de hit, um energético natural sobre o qual se creditam propriedades mágicas. A verdade é que não há mágica. Um dos elementos da planta causa, mesmo, sensações agradáveis.


A catuaba (Erythroxylum catuaba), em contraste com os efeitos que causa, é uma árvore pequena. Mas vigorosa. Produz pequenos frutos ovais, amarelados e não-comestíveis. É uma planta típica da Amazônia e a aplicação, na verdade, vem a partir de infusão das raízes da árvore. Geralmente, usa-se a catuaba em adição a outras bebidas. Mas, há quem a prefira pura para obter mais consistência, digamos. Os índios tupi foram os primeiros a descobrir as qualidades afrodisíacas da catuaba.


Ingerida, a catuaba causa formigamento ao longo da coluna e aumento da sensualidade, que fica, literalmente, à flor da pele (é verdade, já experimentei). A pele e os órgãos genitais tornam-se mais sensíveis. Mas a catuaba não é só sexo! Tem uso terapêutico, com aplicação no equilíbrio do sistema nervoso. Bom isso! Creio que é melhor do que camomila.


O consumo padrão no Brasil é de uma parte de catuaba para uma parte de álcool (destilados como cachaça, por exemplo). É assim que a bebiba é vendida. Mas a infusão pode ser adicionada a licores e energéticos também. E serve como base para produções na cozinha, geralmente misturada com outros ingredientes. Agora, não exagera. Se você realmente precisar de efeitos mais fortes, melhor recorrer ao Viagra.

Comments

No response to “À flor da pele”
Post a Comment | Postar comentários (Atom)