Sob o céu de brigadeiro

sexta-feira, 21 de novembro de 2008


O Brigadeiro é um dos dois produtos brasileiros que tem Denominação de Origem Controlada (D.O.C.). O outro é o lanche Bauru. Abordei o tema D.O.C. no início deste blog. Segundo as normas estabelecidas pela D.O.C. do Brigadeiro, ao se fazer o doce, deve-se respeitar categoricamente as técnicas, medidas e ingredientes.


Abaixo, o passo-a-passo para a confecção do autêntico Brigadeiro brasileiro:

A receita determina que o Brigadeiro legítimo deve ser feito em território nacional. Os ingredientes são chocolate em pó, manteiga e leite condensado (há multinacionais que dominam o mercado; portanto, se você descobrir um leite condensado quase artesanal, me avise). Algumas pessoas usam, nas receitas caseiras, gema de ovo, achocolatados e margarina, ao invés de manteiga. Permita-me discordar: se você se propõe a fazer Brigadeiro autêntico, use, igualmente, ingredientes autênticos.


A cobertura do Brigadeiro é de chocolate granulado. O tamanho é extremamente importante: o Brigadeiro deve ter 3 cm de diâmetro (forma nº. 5) e pesar, em média, 25 gramas. O ideal é que se coma o Brigadeiro de uma só vez. Não é um doce para se comer aos bocadinhos, com requinte. Lembre-se: é doce brasileiro, e não concorre num festival de belos chocolates belgas.

De preferência, o Brigadeiro tem que ter uma consistência puxa-puxa e, simultaneamente, derreter no contato com a boca sem grudar nos dentes. É difícil, mas, com treino, consegue-se atingir a consistência ideal.


Quando servir o Brigadeiro, espere um pouco após o preparo e o sirva à temperatura ambiente. Também não vai exagerar e deixar derreter. E jamais coloque o Brigadeiro sob refrigeração. O chocolate tende a ficar duro e esbranquiçado quando conservado em geladeira.

Tente fazer o legítimo doce com D.O.C. e e você atingirá velocidade de cruzeiro num céu de Brigadeiro.

Comments

2 Responses to “Sob o céu de brigadeiro”
Post a Comment | Postar comentários (Atom)

Anônimo disse...

hmmmm, Adoro brigadeiros! Já tentei fazer, mas o grande problema foi mesmo a consistência. Vou tentar de novo porque me abriste o apetite, aliás a gulodice.


Ana

25 de novembro de 2008 20:57
Redneck disse...

Ana, a coisa mais legal da comida é, antes, atiçar outros sentidos como a visão e o olfato. O paladar é o último sentido a ser satisfeito. Essa é a graça da gastronomia. Boa sorte na sua próxima tentativa. Beijo!

26 de novembro de 2008 13:59