Vintage

domingo, 10 de maio de 2009



Por muito tempo, a única cor que eu enxergava através do jarro era o vinho. Uma cor forte e brilhante, como se de uva verdadeira fosse. Obviamente, os componentes químicos sugeriam a percepção colorida e, de forma mais intensa, induziam ao imediato consumo.

Tenho com as jarras de vidro, essas de bojo arredondado, uma relação de afetividade que, com certeza, me foi criada pela embalagem do refresco em pó Ki-Suco. Gostava de todos: abacaxi, uva, laranja. Havia outros, não? É que o tempo tem o mérito e, em igual medida, o demérito de fazer escoar da mente as lembranças.

No Brasil largamento popularizado como Ki-Suco, o refresco em pó nasceu Kool-Aid nos EUA em 1927, inventado por Edwin Perkins, no estado do Nebraska. Engraçado que Nebraska sempre me remeteu à neve, em sensação bastante semelhante à jarra que poreja, geladinha.

Antes de inventar o Kool-Aid, Edwin vendia suco concentrado em garrafas. Mas era um produto caro e se quebrava com facilidade. Ao tentar encontrar a solução, transformou o suco em pó e, no ano seguinte, lançou o novo suco no mercado, com seis diferentes sabores: cereja, uva, laranja, limão, morango e raspberry.

Em 1953, a empresa de Edwin foi vendida para a General Foods Company que, em 1989, seria incorporada pela Kraft para formar a Kraft Foods. Em 1955, foram acrescentados à linha Kool-Aid mais dois sabores: root beer e lemonade.

No Brasil, o Kool-Aid chegou em 1961, com o nome de Ki-Suco. Três anos depois, as embalagens foram reformuladas, com a adição do Kool-Aid Man, personagem bonachão que é uma jarra estilizada cheia de suco suculento.

Em 1996, com a aquisição pela Kraft Foods, houve uma série de modificações no Ki-Suco. Antes, porém, havia o Q-Refresco, da mesma empresa do Kool-Aid. Depois da Kraft, os dois sucos em pó passaram a ser concorrentes. Atualmente, o mercado está tomado por uma série de concorrentes, entre os quais o mais visível é o Tang. Acabou a hegemonia do Ki-Suco. No final do ano passado, eu vi embalagens de Ki-Suco num supermercado do interior de São Paulo e me recordei da embalagem de papel, pequena, de reconhecimento imediato.

Agora, são todas semelhantes as embalagens, de plástico. O Ki-Suco que eu conhecia existe, modificado em vários níveis pelas sucessivas fusões empresariais. Mas - e pode me chamar de saudosista -, desde que o refresco perdeu o apelo por conta das modificações e da chegada de concorrentes, eu sinto que o Ki-Suco perdeu também a visibilidade e a identidade únicas que tinha.

Embora eu ainda conserve o apreço pela jarra bojuda de vidro (tenho uma em casa, de intenso uso), nunca mais adquiri Ki-Suco. Passei ao largo pela larga jarra e, em tangente rebeldia, ando a fazer sucos, quando os faço, com o concorrente que tem tango no nome.

Uma pena que, quando ocorrem fusões, as empresas compradoras têm urgência em apagar o produto comprado ou diminuir sua importância, marca e história. Ainda que o Ki-Suco siga em linha de produção, certamente mais perdeu do que ganhou com os proprietários novos. Mas eu ainda gosto de pensar que as minhas papilas gustativas são capazes de resgatar o gosto quase vaporoso de Ki-Suco e retê-lo um pouquinho no compartimento de sabores. Dá um sabor de infância. Dá sim.

Comments

3 Responses to “Vintage”
Post a Comment | Postar comentários (Atom)

Olá!

Sabia que quando retira alguma imagem ou informação do google tem que citar a sua fonte?
Ontem enviei-lhe um email pedindo que ponha um link e o nome do meu blog http://flagrantedelicia.com na primeira imagem do seu post sobre o arroz doce.
A imagem tem direitos de autor e ficaria grata que a retirasse ou indicasse a fonte o mais depressa possível.

Obrigada,

Leonor de Sousa Bastos

12 de maio de 2009 07:47
Redneck disse...

Leonor, me desculpe. Já providenciei.

12 de maio de 2009 12:28

Olá!!

Agradeço imenso o seu gesto!... Lamento se pude parecer rude na minha forma de falar mas nos últimos tempos ando um bocadinho transtornada já que encontro imagens e receitas minhas por toda a parte...

Muito mas muito obrigada pela sua atenção!

Beijinhos,

Leonor

12 de maio de 2009 15:50